Informações

TRAP – Twin Reversed Arterial Perfusion

Aulas
25/04/2017 | 1025 Visualizações |

Traps – André Bradley aula ministrada em 25/04/2017

Conteúdo dos Slides – TRAP – Twin Reversed Arterial Perfusion – Gemelar Acárdico

1. TRAPS André Ivan Bradley S Dias Cirurgião Pediatra
2. Ecografia (7/2/17) • Peso fetal estimado do Feto A próximo ao 20º percentil para a idade gestacional. 385g • Peso fetal estimado do Feto B acima do 99º percentil para a idade gestacional. 827g • Feto B trata-se de massa amorfa, sem movimentos cardíacos (acárdico), porém com fluxo sanguíneo reverso proveniente do feto A. Os achados são compatíveis com a sequência TRAP (Twin reversed arterial perfusion). • CONCLUSÕES: • Gestação gemelar monocoriônica e diamniótica de 21 semanas e 3 dias, complicada com a sequência TRAP (gemelar acárdico). TRAPS
3. Fetosocopia TRAPS
4. Ecografia (2/3/17) • Feto A – BCF presentes, rítmicos e com freqüência adequada para a idade gestacional. • Feto B – massa fetal acárdica, sem fluxos ao doppler. TRAPS
5. Evolução da gestação • Ruptura prematura de membrana amniótica quatro semanas após o procedimento intrauterino. • Tratamento expectante por três dias com repouso, hidratação e corticóide. • Iniciou dinâmica uterina, evoluindo para parto vaginal TRAPS
6. TRAPS
7. TRAPS Necrópsia – radiografia
8. Necrópsia – bloco visceral TRAPS
9. Relatório da necrópsia • Feto acárdico. • higroma cístico • Tronco encurtado • Hidrocefalia • sindactilia de 4-5 dedo de mão direita. • Cordão umbilical com artéria umbilical única ligada à artéria ilíaca direita e veia umbilical conectada à veia mesentérica TRAPS
10. Microscopia do cordão TRAPS
11. Evolução do feto A / neonato • RN prematuro de 25 e 4/7 semanas; Apgar 7/8 e peso= 760g , evoluiu com gemência, sendo entubado e mantido em suporte respiratório e NPP. • Hoje com 1mês e 14 dias, dieta plena, peso= 1095g, com CPAP e SatO2=93 a 97%, ainda com episódios de apnéia • Eco transfontanela: hiperecogenicidade periventricular bilateral, em cerebelo e vérmix TRAPS
12. 1% das Monozigóticas 70% das Monozigóticas 30% das Monozigóticas (100% das Dizigóticas) TIPOS DE GEMELARES MONOZIGÓTICOS TRAPS
13. Aspectos histórico-epidemiológicos • Século XVI- monstros acárdicos • Século XVIII- exposição materna a eventos ambientais • 1850- Meckel – perfusão arterial reversa • Lehr e DiRe (1978) • 1:35.000 gestações (1% das monocoriônicas) • Mortalidade do feto normal (bomba) 35 a 55% • 25 a 40% – monoamnióticos TRAPS
14. Diagnóstico prenatal TRAPS
15. • Monocorionicidade  Anastomoses vasculares STFF TAPS TRAPS TRAPS Onde está o problema?
16. Feto acárdico • Dependência hemodinâmica • Perfusão arterial retrógrada Feto bomba • Insuficiência cardíaca congestiva • Polidrâmnio > Parto prematuro • Hipóxia crônica > restrição de crescimento Corioangiopagus TRAPS Fisiopatologia
17. X Defeito intrínseco da cardiogênese? TRAPS Etiopatogenia
18. Classificação morfológica TRAPS Napolitani FD, Schreiber I. The acardiac monster: a review of the world literature and presentation of two cases. Am J Obst Gynecol 1960
19. Estadiamento TRAPS Wong AE, Sepulveda W. Acardiac anomaly: current issues in prenatal assessment and treatment. Prenatal Diang 2005
20. Intervenção cirúrgica fetal – timing (sinais de mau prognóstico) • Polidrâmnio • rápido crescimento do feto acárdico • razão de peso acárdico/ bomba > 70% • Anceps acardia e presença de mmss • IR das artérias umbilicais pouco discordantes • Baixo índice de pulsatilidade da artéria umbilical do feto acárdico TRAPS
21. Intervenção cirúrgica fetal – técnicas • Sectio parva – 7 casos (1989 a 1992) • Técnicas minimamente invasivas: • Oclusão vascular com mola • Injeção de álcool • Termocoagulação com: • mono/bipolar • Laser • RFA TRAPS
22. Procedimento mais recente TRAPS
23. Obrigado TRAPS